quinta-feira, 9 de julho de 2015

Psicólogo Sabe das Coisas (2 de 2)


- Tudo bem, disse o médico, o senhor fez a coisa certa procurando a ajuda de um profissional. Mande-o entrar. Eu me encarrego de conversar com ele.

- Mas antes, doutor, eu quero saber: Como é que o senhor pretende agir para esclarecer as minhas dúvidas?

- Farei ao seu filho quatro perguntas, somente. Dependendo das respostas dele, posso confirmar ou negar as suas suspeitas.

- Mas como assim, doutor, que perguntas serão essas, não pode me adiantar? Não quero traumatizar meu filho, lembre-se.

- Meu Senhor, relaxe! Aguarde na recepção e mande o garoto entrar. Eu cuido do resto. É a minha profissão.

Sai o pai e entra o filho na sala do médico.

O psicólogo ajuda o garoto a se deitar confortavelmente no divã e em seguida esclarece o que pretende dele:

- Filho, eu vou fazer-lhe quatro perguntinhas apenas e gostaria que você me respondesse a verdade. Sem pressa, com calma, mas a verdade. Tudo bem?

Com a aprovação do garoto, o psicólogo sentou-se ao lado do divã; segurando papel e caneta deu início aos trabalhos.

- Vamos então à primeira perguntinha, disse o psicólogo. Na matemática, qual o número que você mais admira?

- Na matemática! Bem, não sei,... O número onze, eu acho.
O adolescente respondeu cheio de incerteza.

- Número onze. Perfeito! disse o médico enquanto escrevia. Vamos à segunda perguntinha agora, ele continuou. Na natureza, qual o animal que você mais gosta ou que você simpatiza mais?

- Na natureza, um animal, um a-ni-mal. Ah!... O jacaré. Respondeu, mas sem a menor convicção.

- Muito bem, jacaré. Vamos à terceira pergunta, disse o médico, que continuava escrevendo enquanto falava. Nas suas refeições, qual a hortaliça que, quando tem na mesa, você mais gosta de comer e faz questão de ter sempre no seu prato?

- Caramba! Agora o senhor me pegou mesmo! Exclamou, muito confuso, o adolescente. Hortaliça, hortaliça... chuchu; é, eu gosto de chuchu.

- Chu-chu. O psicólogo repetiu a palavra com satisfação fazendo questão de separar uma sílaba da outra. Muito bem, filho, vamos à quarta e última perguntinha: O que você quer ser quando crescer? Ou melhor, qual a profissão que você deseja exercer quando tiver que trabalhar?

- Ah doutor, quando eu crescer quero ser advogado, respondeu com determinação.

- Ótimo, disse o psicólogo, com evidente satisfação. Tá terminada a consulta, filho. Espere na recepção e diga ao seu pai que ele pode entrar.

O pai, muito tenso e suando bastante, entrou no consultório ansioso em ouvir o que o médico tinha pra lhe dizer.

- Fala doutor, qual o resultado de tudo isso?

- Eu lamento muito, meu amigo, mas estão confirmadas todas as suas suspeitas.

- Como assim, doutor, me explica.

- Peço que o senhor se sente, por favor. No início, eu lhe antecipei, que faria apenas quatro perguntas ao seu filho e de acordo com as respostas dele eu esclareceria as suas dúvidas, certo?

- Sim, foi isso exatamente o que o senhor falou.

- Pois muito bem, minha primeira curiosidade era saber qual o número, na matemática, que o seu filho mais admira. E ele respondeu que é o número onze. Eu pergunto: O que é o número onze? O número onze nada mais é do que: Um, atrás do outro, certo? Enquanto falava o psicólogo roçava um no outro os dois dedos indicadores das mãos convencido de que aquele gesto ajudava ao pai entender o que ele "explicava". Temos aí a primeira confirmação. 

Depois eu perguntei com qual animal na natureza ele mais simpatiza, e ele respondeu que é com o jacaré. De novo eu pergunto: O jacaré se defende como? COM O RABO, não é verdade? Taí a segunda confirmação. 

A terceira curiosidade era saber qual a hortaliça que ele mais gosta de comer. Sabe o que foi que ele respondeu? CHUCHU. O senhor, com certeza, conhece o ditado: "Dá mais do que chuchu na serra". Temos com essa resposta a terceira confirmação. 

E pra finalizar, amigo, eu perguntei ao seu filho que profissão ele quer exercer quando tiver que trabalhar. E ele respondeu: ADVOGADO. Ora, todo mundo sabe que advogado entra em qualquer Vara, sendo assim...

Nenhum comentário: