sexta-feira, 10 de julho de 2015

Vai entender os terroristas



Os muçulmanos não estão  felizes:

Eles não  estão felizes em Gaza.
Eles não  estão felizes na Cisjordânia.
Eles não  estão felizes em Jerusalém ...
Eles não  estão felizes em Israel.
Eles não  estão felizes no Egito.
Eles não  estão felizes na Líbia.
Eles não  estão felizes na Argélia.
Eles não  estão felizes em Tunis
Eles não  estão felizes em Marrocos.
Eles não  estão felizes no Iêmen.
Eles não  estão felizes no Iraque.
Eles não  estão felizes no Afeganistão.
Eles não  estão felizes na Síria.
Eles não  estão felizes no Líbano.
Eles não  estão felizes no Sudão.
Eles não  estão felizes na Jordânia ...
Eles não  estão felizes no  Irã.

Onde os muçulmanos estão felizes?

Eles estão  felizes na Inglaterra.
Eles estão  felizes  na França.
Eles estão  felizes na Itália.
Eles estão  felizes na Alemanha.
Eles estão  felizes na Suécia.
Eles estão  felizes na Holanda.
Eles estão  felizes na Dinamarca.
Eles estão  felizes na Bélgica.
Eles estão  felizes na Noruega.
Eles estão  felizes nos E.U.A.
Eles estão felizes no  Canadá.
Eles estão felizes na  Romênia.
Eles estão felizes na  Hungria.
Eles estão felizes na  Austrália.
Eles estão felizes na Nova  Zelândia.

Eles estão felizes em qualquer outro país  no mundo que não está sob um governo  muçulmano.

E quem eles  culpam?

· Não o  Islam.
· Não a liderança  deles.
· Não a si  mesmos.

Culpam os países onde estão vivendo  livremente e bem.

Isso é tão  verdadeiro ... A democracia é realmente boa para  eles: Em uma democracia que eles podem viver  confortavelmente, aproveitar a alta qualidade de vida que eles não  construíram e nem trabalharam para ter.

Podem manter seus costumes,  desobedecem às leis, exploram os serviços sociais, fazem paródias de nossa  política e de nossos tribunais.

Geralmente, mordem a mão que os  alimenta. A questão é contraditória, paradoxal !  Eles tentam trazer seu sistema de vida falido e querem transformar os países  que os acolheram no país que abandonaram em busca de uma vida melhor ...?

Dá  para entender?

Nenhum comentário: